Para muitos ela é veneno! Dizem que esta fruta era e continua sendo responsável por matar o gado, principalmente no cerrado. Devido a esta má informação lendária, os donos de terra têm sacrificado os pés da lobeira, provocando a sua extinção num período breve, caso nada for feito em benefício de sua preservação. Chamada também de maçã do cerrado - devido ao cheiro parecido com o da maça - conhecida também como: jurubebão, berinjela do campo, etc... Veja a explicação do fato d'ela ser uma fruta assassina: devido ao sabor "cheiroso" dela madura, o gado pula cerca, atravessa riachos, valas e quintais em busca desta fruta. Ele come até o caroço, ou melhor, a tampa, que provoca a sua morte (foto). Essa tampa aloja-se na boca de seu estômago, o fechando. Nada mais entra. O gado rumina até mufinar e acaba morrendo.

Farelo da fruta-do-lobo

Então, a ciência de outrora, que estava longe do campo, e o povo, sem saber identificar a causa mortis, lhe atribuiu o fatídico da causa: o veneno!!! Se não fosse essa fatalidade, ela bem poderia chamar-se fruta do boi ou fruta da vaca, como o lobo emprestou seu nome a ela.

Desde criança ouvia as correições quando brincávamos de fazer dela uma bola: "olha, isso é veneno, esse 'pozinho' que ela solta também pode cegar". Coitada! Injustiçada ela amargou por longos e longos anos na amargura! De fato, ela amarga um pouco quando verde, nada insuportável. Mas o amargo a que me refiro é o da injustiça. Os fazendeiros tinham e às vezes ainda têm horror a essa planta. Mal sabem eles que hoje os cientistas a declaram como uma fruta medicinal. Segundo um texto de Paulo Capobianco, essa fruta será muito promissora, neste século, principalmente nas áreas de antibióticos, anticoncepcionais e antiinflamatórios.
Os trabalhos estão sendo desenvolvidos no Laboratório de Pesquisas e Ensino em Síntese Orgânica da Universidade de Brasília,

onde já descobriram fartos indícios da produção de esteróides, matéria-prima de diversos medicamentos, que a lobeira oferece.

De acordo, as explicações de divulgador desta planta ela é da família das solanáceas, assim como o tomate, o jiló, a jurubeba. Descobriu-se também, segundo ele, a presença de solasodina na lobeira, elemento básico para a produção de esteróides. Com essa descoberta, a fruta do lobo poderá ser uma grande aliada para o barateamento de muitos medicamentos. Veja, de acordo com a explicação de Capobianco: "cerca de 20 ml medicamentos à venda no Brasil são produzidos a partir de apenas 300 princípios ativos, sendo 10 esteróides que estão entre os insumos mais caros da indústria farmacêutica.

 

A Fruta do Lobo floresce sempre, conseqüentemente produzindo frutos o ano todo. Suas cores são bem combinativas: lilás e amarelo.

De vilã ela passou a "excelência" do cerrado: as farmácias homeopáticas vendem seu pó, amido ou polvilho em cápsulas para emagrecer, baixar o diabetes, falam até em aliviar dores estomacais, como gastrite..
Sua flor (foto) é usada chá para baixar febre, fazer xarope para fortalecer o pulmão, nos florais  é muito usada...

Agora a fruta do lobo reina nos campos do cerrado brasileiro, apesar ainda da resistência e ignorância. Os mais sábios estão começando a fazer a festa.

Capela de São Francisco e Santa Clara, que tem um pé de lobeira plantado na entrada.

Minha mãe cortava os pedaços, dava ao gado, sem a tampa, é lógico! Ralava para as galinhas, misturando em farelos, as que apodreciam no chão criavam alguns bichinhos, parecidos com joaninhas, que as galinhas e alguns pássaros deliciavam. O coelho adora sua polpa. Quando passei uns tempos com os índios (veja + em CULTURA BRASILEIRA) eles comiam ela "divez" passada a madura como a gente come uma maçã, faziam refogado. Bom, depois desta convivência com a fruta do lobo, eu também tenho minhas experiências para contar. Tenho uma pequena plantação no terreno da Pousada das Cores, para uso próprio: fazemos doces (aprendi com minha mãe), inventamos bombons (veja RECEITAS) farelo para bolos, vitaminas, pães, etc..., colocamos na farinha enriquecida com casca de ovo, folhas de mandioca, chuchu, batata-doce...

Curiosidade: segundo uma lenda, quem quiser saber a inicial do seu futuro amor, é só cortar ao meio e de relance vai ver a primeira letra do pretendente. Contei esta história para uma ex-freira e ela ao fazê-lo viu o nome de seu namorado de infância, antes do seu convento. Passado alguns anos eles se casaram. Verdade!... Dizem que toda lenda tem um fundo de verdade.

Existem literaturas revelando a importância dessa fruta para o lobo. Como ele é um animal tímido, não é agressivo do ponto de vista de atacar sem ser incomodado ele não se aventura, como outros carnívoros que entram nas fazendas e arrebatam uma ovelha, um garrote, uma galinha no galinheiro, fatalmente sua espécie já teria extinguido, com a ajudo do homem, seu maior exterminador. É aí que entra a salvação das frutas do cerrado, habitat do lobo. O nome lobeira ou fruta do lobo advém daí, ela alimenta o bicho. E ele a adora! Bendita é essa fruta para ele, acredito, logicamente, depois da carne. Exemplo disso podemos citar o Parque do Caraça como refúgio dos lobos e lá existe muita lobeira.

Brincadeira ou não, veja como o lobo é esguio, não tem gordura, anda como um manequim na passarela. Sendo verdade que a fruta emagrece, o lobo é a própria propaganda, rárárá!!! A publicidade não pode saber disso...
Quem quiser averiguar isso, é só visitar o Caraça. Toda noite um ou mais lobos aparecem por lá para degustar um pedaço de carne oferecido pelos padres.

A fruta verde, ao começar a amadurecer ela pode cair. É bom colhê-las quase que diariamente, senão virará banquete dos bichos, o que eles também merecem, compartilhemos...

Depois dessa os rótulos de amido da lobeira vão querer, quem sabe, estampar a silhueta do lobo. Se isso acontecer, espero que o empresário pague direitos autorais ao bicho, como forma de proteger a família lobiana... Acho que o próprio Caraça vai agradecer.

Sendo o maior canídeo entre os que vivem de forma natural na América do Sul, habita principalmente os campos de cerrados das regiões central e leste do Brasil, leste da Bolívia, Paraguai, norte da Argentina e Uruguai. De porte esguio e elegante, sua pelagem de cor vermelho-dourado contrasta com as longas pernas enegrecidas, dando-lhe a semelhança com um cachorro grande. Solitário e tímido, é monogâmico: casa-se apenas na época da reprodução. Nas primeiras horas da noite, anda em torno de 25km à procura de alimentos. Alimenta-se tanto de caça como de vegetais, como a fruta do lobo, que leva seu nome.


Foto: Marcos Leg

A gestação dura cerca de dois meses. A ninhada varia de 2 a 5 filhotes, em ambientes reservados e seguros. Quando ameaçada, a loba muda sua cria para uma outra toca mais segura.

São Francisco - protetor da ecologia - aparece em várias imagens com o lobo aos seus pés, como esta imagem da igreja da Pousada das Cores, que tem um pé de lobeira na porta; Cocais é região desta planta. O Caraça é vizinho de Cocais - onde o lobo-guará vêm toda noite fazer seu jantar; em Cocais as lendas sobre o lobo (veja lenda da Mula-sem-Cabeça e Lobisomem em EVENTOS) aqui até o lobo já se casou; os alunos fantasiados de lobo... virou uma lobomania!

Referências bibliográficas
Revistas:
Revista Globo Rural, Manchete Rural, Agropecuária Estado de Minas, Natureza Frutífera / /  Livros: Fruticultura Brasileira - Pimentel Gomes. Emater/MG